Hoje, 29 de outubro, é celebrado o Dia Nacional do Livro. A leitura, as vendas e publicações independentes de livros cresceram muito durante a pandemia, principalmente porque as pessoas encontraram na literatura uma forma de relaxar a mente no período de isolamento. Contudo, mesmo com esse hábito aumentando, por que a literatura brasileira ainda não é tão valorizada?

Nós, brasileiros, ainda temos enraizado que “tudo que vem de fora, é melhor” e acabamos esquecendo de valorizar nossa própria cultura. Os livros nacionais sofrem pela falta de incentivo público e acabam perdendo espaço para os grandes best-sellers americanos e britânicos, como se não pudessem ser tão bons quanto os livros internacionais.

Somos “ensinados”, desde cedo, que a literatura brasileira é chata, uma obrigação das escolas para provas e vestibulares. E sim, nossos livros acabam tendo uma linguagem mais robusta, de difícil entendimento, e infelizmente isso dificulta que essas histórias ganhem espaço em nossas estantes.

Ninguém gosta de ler por obrigação, pois a leitura deve ser prazerosa. Talvez por isso, os grandes nomes da literatura brasileira como Machado de Assis, Jorge Amado, José de Alencar e Drummond não sejam valorizados em nossa terra, pois não somos ensinados a ter prazer por suas histórias, lemos apenas por obrigação.

São poucos escritores brasileiros aclamados pelo público, não por falta de talento, mas simplesmente por estarem ligados a seção de literatura nacional. As capas de livros brasileiros não chamam atenção, muitas não são bonitas aos olhos e isso ocorre basicamente pela falta de investimento, divulgação e reconhecimento dos nossos escritores.

Por isso, a gente resolveu trazer algumas dicas de livros nacionais, da literatura atual, que são tão bons quanto os livros estrangeiros. Livros de romance, fantasia e suspense pra você escolher seu gênero favorito de leitura: